Política de privacidade

Estes dados são registados informaticamente e destinam-se única e exclusivamente para contacto por parte desta entidade.

Artigo

Dicas e Testemunhos

Quanto é que (a)próstatas?

Por Luís Filipe Borges

03.08.2020 | 0 Comentários | 2 Likes

Quanto é que (a)próstatas?

1977. A TAP sofria o único acidente mortal da sua história, Elvis Presley partia deste mundo, e eu nascia. Três tragédias, para citar o meu irmão. A 5 de Agosto bateram as 43 órbitas ao Sol. 43. Não sei exactamente como é que isto aconteceu, nem – tendo em conta a minha inata habilidade para me estampar das mais criativas formas – como cheguei vivo até este, vá, marco. Verdade seja dita, a única coisa de que sinto saudades da era dos vintes resume-se em duas palavras simples: o entusiasmo tolo. Aquela euforia ingénua que sentimos nessa idade, despoletada por qualquer prometedora brisa primaveril, e que se explica por ainda não termos actualizado o GPS das curvas e contracurvas, previsíveis pisos escorregadios e becos sem saída, que a experiência de vida entretanto nos ensinará. De resto, entretenho-me a folhear álbuns antigos de família, onde me fazem reparos como “este era o teu tio aos 41” ou “esta era a tua avô aos 38” – e na verdade parecem-me fósseis ou estátuas de cera há muito atrasadas na manutenção. Sim, é um cliché de todo o tamanho, mas talvez os 40 sejam de facto os novos 30.

Tendo em conta que a esperança média de vida em Portugal é de 81 anos, já tenho a ampulheta em contagem decrescente, pelo que tentarei ir directo ao assunto. Tenho os joelhos feitos num oito. Ou se queixa um ou se queixa o outro, pareço aqueles idosos que conseguem prever chuva em Fornos de Algodres com 3 dias de antecedência. Desconfio bem que a minha carreira na alta competição terminou. A menos que Frederico Varandas mostre interesse num novo lateral. Julgo possuir, no mínimo, as mesmas qualidades do Rosier: também consigo vestir um equipamento e atar as chuteiras. Mas como o Sporting não paga (bem), nem vale a pena perder tempo com esta hipótese.

Talvez seja da crise de meia-idade, mas arranjei uma tabela de basket à altura oficial, sim, ah pois é, e instalei-a no terraço - com o seguinte desafio: a cada 30 lançamentos certeiros, um ovo cozido para o bucho. Posso afiançar-vos que já degluti uns, deixa cá ver, hmm… dois. Se calhar é melhor verificar o prazo de validade.

Entretanto tique-taque-tique-taque para o primeiro toque rectal. Vou embebedar-me antes, quanto é que apróstatam?

Comediante, Argumentista, Açoriano, Benfiquista (não necessariamente por esta ordem)
Luís Filipe Borges

Guarda-redes Amador

Nadador Incansável

Frequenta o ginásio com tremendo masoquismo

Gostei do artigo
2

Gostou deste artigo?

Partilhe com os seus amigos!

Deixe a sua opinião